Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

NA FOLHA: Lula, eu e a política como negociação de competências. Inexiste entre santos, mas existe entre impuros

Reinaldo Azevedo

2022-12-20T17:09:23

22/12/2017 09h23

Leiam trecho de minha coluna na Folha de hoje, a último de 2017. Volto a escrever no jornal no dia 12 de janeiro.
*
Lula nunca diria a jornalistas: "Façam como Mino Carta, Paulo Henrique Amorim e os blogs sujos; leiam o processo".

Porque Mino Carta, Paulo Henrique Amorim e os blogs sujos nunca precisaram ler processos para que a Secom de então patrocinasse sua luta contra, como é mesmo?, a "mídia tradicional". Nota: tal discurso foi sequestrado pela extrema direita. E segue asqueroso.

Mas Lula disse na quarta (20) a jornalistas: "Façam como Reinaldo Azevedo. Leiam o processo". Sim. Eu leio. Os que dizem respeito a Lula e a alguns outros.

Abaixo, leitor, vai uma digressão, quase um apólogo –uma pequena narrativa que encerra uma sabedoria de sentido moral.

"Façam como Reinaldo Azevedo" é um conselho em favor da prudência. Sou disciplinado e cumpridor de regras. Sempre fiz a lição de casa. Até a terceira série, este então gordinho de óculos levantava a mão e dizia:

"Professora, a senhora esqueceu de 'dar vista' à lição." Um dia, o aluno mais vagabundo da sala, mas bom de bola –ele decidia quem vivia e quem morria no futebol–, me deu um esporro. A linguagem presente, teria dito: "Pare de ferrar seus colegas. Você é um cara legal!"

Houve uma negociação sem palavras. Parei de ser tarefeiro meio alcagueta –afinal, aquela era uma função da professora, não minha. E nunca mais passei pela humilhação de ser o último escolhido na hora de formar os times.

Li Maquiavel, acho, uns seis ou sete anos depois. Com um marginal da sala, a primeira lição de "O Príncipe". Depois tivemos uma atividade clandestina comum. Ele sempre tinha cigarros. Eu também. Não sei como conseguia os dele. Sei como conseguia os meus. No tempo de eu ser criança, eram comuns festas as mais variadas em que se jogavam argolas para ganhar maços de cigarro. Por alguma disfunção cerebral qualquer, descobri que era bom nisso. Sou até hoje. A gente não vendia nada. Só granjeava simpatias.

Os marginais até se irritavam com o fato de eu não passar cola, mas tinham orgulho de eu ser um deles e ganhar medalhas. Davam-se medalhas por desempenho, naquele tempo, em escolas públicas, para os primeiros colocados. Eu era o medalhado da escória. Eles me protegiam da solidão, e eu os livrava, na medida do possível, dos castigos. Volto a Lula.

Política é uma negociação de competências entre humanos precários. Inexiste entre santos, que nada têm a explicitar a não ser essencialidades vocacionadas para o bem, o belo, o justo, o verdadeiro, o supra-humano. Mas existe entre os impuros.
(…)
Íntegra  aqui

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo