PUBLICIDADE
Topo

BOLSONARO E O COFRE SECRETO 1: Fatos, só os fatos: o processo de separação abriga bens ocultos, renda sem origem e roubo de um cofre

Reinaldo Azevedo

28/09/2018 08h41

Reportagem da Folha de S. Paulo informou que documento do Itamaraty de 2011 registra que, segundo depoimento de Ana Cristina Siqueira do Vale, ex-mulher de Jair Bolsonaro, ela foi ameaçada de morte pelo agora presidenciável, razão por que chegou a fugir para a Noruega em companhia do filho do casal. Depois que a reportagem foi publicada, Ana Cristina veio a público para defender o deputado e atacar o jornal. Amigas que conviveram com ela no período, no entanto, informam que ela própria lhes relatou, à época, as ameaças. Na rede bolsonarista, a Folha foi demonizada. Autores da reportagem e até um homônimo foram caçados nas redes sociais, num esforço evidente de intimidação. Apostando que isso intimidaria a imprensa, os partidários da truculência já pensavam em mudar de assunto. E aí chegou a reportagem da revista VEJA.. E as coisas se complicaram bem para aquele que se coloca como o paladino da moralidade. Parte da sua reputação, diga-se, está na autoproclamada honestidade.

Pois é… A reportagem, calçada em evidências factuais, mostra que o quiproquó de Ana Cristina e Bolsonado foi bem mais feio. E diz respeito não a uma crispação da vida privada apenas. Reproduzo abaixo trechos da reportagem da VEJA:
*
Em 2007, o deputado Jair Bolsonaro, então com 52 anos, estava terminando seu segundo casamento, com Ana Cristina Siqueira Valle. Depois de mais de dez anos juntos e um filho, o casal resolveu se separar, mas o caso acabou na Justiça. Eles disputavam a guarda do filho, hoje com 20 anos, e Ana Cristina alegava que seu ex-marido resistia a fazer uma partilha justa dos bens. Por isso, em abril de 2008, ela deu entrada com uma ação na 1ª Vara de Família do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. O processo, com mais de 500 páginas, ao qual VEJA teve acesso, contém uma série de incriminações mútuas que fazem parte do universo privado do ex-casal. Há, no entanto, acusações de Ana Cristina ao ex-marido que entram na esfera do interesse público porque contradizem a imagem que Bolsonaro construiu sobre si mesmo na campanha presidencial. São elas:

  • Bolsonaro ocultou patrimônio pessoal da Justiça Eleitoral em 2006. Quando foi candidato a deputado federal, declarou que tinha um terreno, uma sala comercial, três carros e duas aplicações financeiras, que somavam, na época, 433 934 reais. Sua ex-mulher, no mesmo processo, anexou uma relação de bens e a declaração do imposto de renda do ex-marido, mostrando que seu patrimônio incluía também três casas, um apartamento, uma sala comercial e cinco lotes. Os bens do casal, em valores de hoje, somariam cerca de 7,8 milhões de reais.
  • Bolsonaro tinha uma "próspera condição financeira" quando era casado com Ana Cristina, segundo ela própria. A renda mensal do deputado chegava a 100 000 reais — cerca de 183 000 reais, em valores atualizados. Na época, oficialmente, Bolsonaro recebia 26 700 reais como deputado e 8 600 reais como militar da reserva. Para chegar aos 100 000 reais, diz a ex-mulher, Bolsonaro recebia "outros proventos", que ela não identifica.
  • Bolsonaro, de acordo com Ana Cristina, furtou seu cofre numa agência do Banco do Brasil, em outubro de 2007, e levou todo o conteúdo: joias avaliadas em 600 000 reais, 30 000 dólares em espécie e mais 200 000 reais em dinheiro vivo — totalizando, em valores de hoje, cerca de 1,6 milhão de reais. O cofre ficava na agência do Banco do Brasil da Rua Senador Dantas, no centro do Rio. Seu conteúdo é incompatível com as rendas conhecidas do então casal.
  • Bolsonaro era um marido de "comportamento explosivo" e de "desmedida agressividade". Essa foi a razão que levou Ana Cristina a separar-se, segundo ela mesma informa.

Retomo
O caso dos bens, por exemplo, está documentado. Há o que o deputado declarou a Justiça Eleitoral e há o patrimônio que efetivamente existia e que faz parte dos documentos do processo movido por Ana Cristina, que hoje acrescentou "Bolsonaro" a seu nome e concorre a uma vaga na Câmara Federal pelo Podemos.

O caso do cofre é do balacobaco. Leiam:
VEJA teve acesso ao inquérito policial. Em depoimento, Alberto Carraz, um dos gerentes do Banco do Brasil, confirmou que tanto Ana Cristina quanto Bolsonaro mantinham cofres na agência. No caso do deputado, não se sabe o que ele guardava — e ele também nunca declarou a propriedade do cofre. Já a ex-mulher disse que guardava joias avaliadas em 600 000 reais, mais 30 000 dólares em espécie e 200 000 reais em dinheiro vivo. Localizado por VEJA, Alberto Carraz conta que, de fato, o conteúdo do cofre sumiu e dá uma pista do que pode ter sido o desfecho da história: "Quando Bolsonaro soube que a ex-mulher tinha feito um registro de ocorrência na delegacia, ele me disse que iria resolver a questão. Depois, eu soube por ele que estava tudo resolvido e que ela tinha retirado a queixa". Na verdade, não foi bem assim.

A discussão sobre o furto do cofre continuou, segundo mostra o processo. A defesa de Bolsonaro, na etapa em que o ex-casal discutia a guarda do filho, juntou um depoimento em que o deputado acusava a mulher de chantageá-lo. Dizia que ela tinha levado o filho para o exterior e condicionava o retorno da criança à devolução do dinheiro e das joias subtraídos do cofre. Bolsonaro acusou a mulher de sequestro. Ela acusou-o de furto. Na época, além de procurar a Polícia Federal, Bolsonaro pediu ajuda ao Itamaraty para localizar o filho no exterior.

Ana Cristina e a criança estavam em Oslo, na Noruega. Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo divulgou telegramas do Itamaraty nos quais Ana Cristina, em conversa com um vice-cônsul brasileiro em Oslo, dizia que fora para a Noruega depois de ser ameaçada de morte pelo ex-marido. Ela negou que tenha dito isso ao vice-cônsul, mas o jornal ouviu cinco amigas brasileiras de Ana Cristina em Oslo e todas a desmentiram e confirmaram que a ameaça de morte fora o motivo de sua viagem para a Europa. O fato é que, quando o depoimento de Bolsonaro acusando Ana Cristina de sequestro foi anexado ao processo, o ex-casal chegou imediatamente a um acordo. O filho voltou do exterior, a disputa pelos bens foi resolvida nos termos reivindicados por Ana Cristina e o valor da pensão foi acertado. Sobre o furto do cofre, porém, nenhuma palavra.

Bolsonaro não quis falar com a reportagem.
Leia mais aqui

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM.

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Reinaldo Azevedo