Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Para Meirelles, programa de Haddad retoma recessão e de Bolsonaro é duvidoso

Reinaldo Azevedo

2010-10-20T18:19:08

10/10/2018 19h08

O programa de governo de Fernando Haddad (PT) para a economia é voltar à recessão, enquanto o de Jair Bolsonaro (PSL) é incompreensível, segundo a opinião de Henrique Meirelles, candidato do MDB à Presidência derrotado no domingo (7).

Após obter só 1,20% dos votos, ele afirma que não apoiará nenhum dos candidatos no segundo turno enquanto suas propostas econômicas permanecerem como estão.

Meirelles, 73, que foi convidado para ser presidente do Banco Central na gestão Lula e ministro da Fazenda de Michel Temer, também não aceitará participar de governos cujas ideias não estejam em linha com as suas.

Se voltar a concorrer no futuro, ele diz que vai considerar "tudo", inclusive avaliar o papel que o MDB, partido do impopular presidente Temer, teve em sua candidatura.

O ex-ministro —que nasceu em Anápolis, fez carreira no BankBoston e custeou parte da campanha com a própria fortuna— diz que está "em paz" e planeja criar um canal de informação digital para reunir propostas para o Brasil.

Quem é o culpado pela polarização desta eleição entre Haddad e Bolsonaro, que prejudicou a votação de todos os outros candidatos, inclusive o sr.?
Há uma série de fatores. Teve a crise econômica, que levou à maior recessão da história e deixou as pessoas com uma visão muito negativa da realidade. Saímos da recessão [na minha gestão no ministério da Fazenda], mas não houve tempo para a população perceber, então continuou aquela sensação e logo vieram as incertezas eleitorais. (…)

Por Joana Cunha, na Folha.

 

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo