Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Há um certo cansaço em meio ao festival de baixarias; os limites desapareceram

Reinaldo Azevedo

15/10/2018 07h10

Faltam ainda duas semanas para a eleição. A julgar pela voltagem ideológica das redes sociais, parece uma eternidade. Fora os muitos entusiasmados profissionais de um lado e de outro, há uma espécie de enfaro no ar. As pessoas estão um tanto cansadas; já não aguentam o festival de acusações e de imprecisões que toma conta das campanhas. Sim, a bem da verdade, é preciso que se diga: os defensores de Jair Bolsonaro (PSL), não importa se sob o comando ou não da turma que obedece a seu mando, são muito mais ágeis e caudalosos ao espalhar "fake news". Também as há, por óbvio, oriundas dos partidários de Fernando Haddad (PT) contra o adversário. Mas faça você mesmo o teste. Tire agora o seu celular do bolso e entre no WhatsApp, vá à sua página no Facebook ou a seu perfil no Twitter e veja que lado — já que os lados estão aí — disparou mais petardos contra o adversário. Aproveite e também proceda a uma avaliação qualitativa sobre as acusações. Uma das mais barulhentas, retirada depois, mas deixando rastros, assegurava que, se eleito, Haddad pretenderia legalizar a pedofilia — nada menos. Deveria haver um limite para a desqualificação do outro. Como se vê, não há.
Continua aqui

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo