Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

O GENERAL E O MST 4: Ainda que a esquerda tarde um pouco a perceber, escolha de general para o Incra marca um bom recuo de Bolsonaro

Reinaldo Azevedo

2011-02-20T19:07:32

11/02/2019 07h32

Por estranho que possa parecer a muitos, em especial aos que têm um viés de esquerda, entendo que a escolha de um general da reserva — sim, o governo está cheio deles! — para cuidar da área marca um recuo do governo na disposição de dar ao tema mero trato ideológico, afrontando e desconsiderando os grupos organizados que se batem em favor da questão. Como já disse mais de uma vez: Bolsonaro acerta quando recua e erra quando avança. Se bem se lembram, a linguagem de campanha e os primeiros passos logo depois da vitória pareciam tendentes a fazer tábula rasa de demandas que os brucutus de extrema-direita — que nada têm a ver o liberalismo; são apenas reacionários néscios — consideram, como é mesmo, coisa do "marxismo cultural" ou do "comunismo internacional".

Os generais têm mais experiência, por óbvio, do que essas nulidades intelectuais e morais nascidas do berreiro da Internet. Dado o amálgama político-ideológico do grupo que chegou ao poder, fiquem certos: um civil que fosse escalado para a área estaria sujeito a pressões paralisantes. Não iria conseguir trabalhar. Jesus Correa tem uma condição estrutural, nesse governo, para fazer a coisa avançar: autoridade junto aos pares — sim, isso é relevantíssimo. Se a coisa vai andar, não sei.
Continua aqui

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo