Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

TENTAÇÃO TOTALITÁRIA 4: Partidários do governo elegeram tribunais superiores como alvos; deputada quer 4 ministros para o chefe

Reinaldo Azevedo

2012-02-20T19:08:28

12/02/2019 08h28

Já é conhecida a máxima de Pedro Aleixo, vice de Costa e Silva, quando este decidiu baixar o famigerado AI-5. A questão, observou ele ao presidente, não é o que poderiam fazer os auxiliares direitos do mandatário, mas o que faria o guarda da esquina. O pega-pra-capar acima da lei, levado a efeito pelo lava-jatismo, ao qual Sérgio Moro pretende dar continuidade, agora no governo, com suas licenças para matar, confere aos burocratas a ânsia do poder absoluto.  Esse absolutismo da burocracia policialesca, acima da lei, se casa hoje com delírios autoritários da base do governo, que não têm sido desestimulados pelo poder político. Ao contrário. Lá estão senadores governistas a incentivar uma CPI dos Tribunais Superiores, que nem objeto tem. Não sairá. É só intimidação. A deputada Bia Kicis (DF), do partido do presidente, uma das mais buliçosas, colhe assinaturas para revogar a tal PEC da Bengala, voltando a impor os 70 anos como limite para ministros deixarem os tribunais superiores. Isso permitiria a Bolsonaro indicar quatro nomes para o STF: além dos substitutos de Marco Aurélio e Celso de Mello, também os de Rosa Weber e Ricardo Lewandowski. Não! A parlamentar não esconde o seu intento.
Continua aqui

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo