Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

‘Impeachment branco’ tem de isolar Bolsonaro, fazendo-o laranja do próprio governo; tarefa é dos generais; Esplanada precisa de uma faxina

Reinaldo Azevedo

2016-02-20T19:07:47

16/02/2019 07h47

"Se quiser fechar o governo Bolsonaro, você sabe o que faz? Você não manda nem um jipe. Manda um capitão reformado e seu filho malcriado". Quem tem de ser isolado e tutelado não é Carlos, o filho, mas Jair, o pai. A tal "velha política", expressão frequentemente empregada por vigaristas e cretinos, e os militares terão de se juntar para neutralizar o presidente da República (foto), num esforço de salvar o seu mandato.

Para quem não se lembra, parafraseio, no primeiro parágrafo, o filho Zero Três, Eduardo, que afirmou, em palestra concedida em julho do ano passado, que um soldado e um cabo constituiriam força suficiente para fechar o Supremo.

A família não tem muito apreço pelas instituições, como restou provado, mais uma vez, nesse episódio envolvendo Gustavo Bebianno, que está sendo chutado com todas as desonras.

É claro que não há como Bebianno continuar. Se fica, corre o risco de não lhe servirem nem mesmo um café no Palácio do Planalto. Não há dúvida de que o PSL, sob o seu comando, fez lambança com a verba do Fundo Eleitoral, que é dinheiro público. Mas é preciso que um presidente da República seja estupidamente irresponsável para dar ao problema a dimensão de uma crise política.

Digam-me cá: alguém está surpreso? Eis o Bolsonaro de sempre. O político que endossou e ajudou a propagar a mensagem em que o filho Carlos, o Zero Dois, chamava Bebianno de mentiroso é aquele que disse a uma deputada que não a estupraria porque, feia a seu juízo, ela não seria merecedora de tal distinção. Ou que estimou em arrobas o peso de um quilombola, que não serviria nem mais para a reprodução. Ou que exaltou um grupo de matadores na Bahia, convidando-o a atuar no Rio, sua base eleitoral. Ou que elogiou o trabalho das milícias — em parceria, em tão nobre propósito, com Flávio, o Zero Um. Ou que afirmou que o erro da ditadura "foi torturar e não matar". Ou que recomendou aos pais que dessem "um coro" no filho ainda criança se notassem alguma evidência de homossexualidade.

Vamos ser claros? Quando deputado, sempre foi um arruaceiro do baixo claro, dando voz aos propósitos mais asquerosos. E sua pauta foi herdada pela descendência. Ah, sim: ele não parece ter sido do tipo que deu coro em suas crias. Ele as adula até hoje, em especial quando fazem besteira. Não é preciso muito esforço para perceber que os Bolsonaros consideram a Presidência da República uma empreitada familiar. Sabem como é… Não é todo dia que um clã tão preparado se apresenta com vocação para a causa pública. Os EUA tiveram os Kennedys. As nossas elites se apaixonaram pelos Bolsonaros…

Pergunto de novo: alguém está surpreso? Em maio do ano passado, o então pré-candidato à Presidência gravou um vídeo em apoio à greve dos caminhoneiros, como se vê abaixo, com aquela gramática muito peculiar.

https://www.youtube.com/watch?v=1qe_lDmaE94

Bebianno, o chutado, não hesitou em discursar em um dos piquetes. Afirmou: "Não sou político, mas acompanho o maior político da atualidade: Jair Bolsonaro". Segue o vídeo.

https://youtu.be/0KqLzjOv-uE

É esse tipo de gente que chegou ao poder. A greve deu um tombo, nas avaliações mais modestas, de pelo menos um ponto no PIB. As ilegalidades promovidas pela Lava Jato e a greve tornaram inviável a reforma da Previdência que Michel Temer tentou aprovar. Outro Varão de Plutarco da nova ordem, Onyx Lorenzoni, chamou a proposta de "uma porcaria". O próprio Bolsonaro se opôs a ela. E agora só a reforma pode salvá-lo do desastre, o que não é sinônimo de salvar o seu governo.

O que foi que Bolsonaro aprendeu de lá pra cá? Não se iludam. Quando todos os detalhes da reforma da Previdência vieram à luz é que começa a batalha. Parte considerável da bancada bolsonarista está comprometida com corporações que reivindicam excepcionalidades. E é sempre por elas que uma reforma começa a ser desfigurada.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); Hamilton Mourão, o vice, e o generalato que integra o governo ainda tentaram salvar a cabeça de Bebianno. Inútil. O ainda ministro (ao menos do ponto de vista formal) diz que só sai se demitido; não vai se demitir. Rejeitou um cargo de diretoria em uma estatal, que Bolsonaro quis lhe dar como prêmio de consolação. Considera-se traído e injustiçado.

É claro que os filhos se tornaram personagens tóxicas do governo do pai. Mas não bastará impor o cordão sanitário para separá-los de Bolsonaro. É Bolsonaro quem tem de ser separado do governo. E com urgência. Rodrigo Maia, os generais e mais uma meia-dúzia de governistas com miolos têm de aprovar o "impeachment informal" do mandatário. Como?

O homem é fã de Donald Trump, que brinca de governar os EUA. Por lá, o "deep state" deu um jeito de neutralizar o maluco. Por aqui, a única chance de a coisa não degenerar em bagunça é fazer o mesmo.

Bolsonaro só tem salvação se virar laranja do próprio governo. Os generais que se encarreguem. Medida essencial para tanto é fazer ao longo do ano uma faxina na Esplanada dos Ministérios, com a demissão de todos aqueles que exibem sinais evidentes de demência política.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo