PUBLICIDADE
Topo

A ENTREVISTA DE LULA 2:  Não há nem sinal de autocrítica na fala de petista

Reinaldo Azevedo

28/04/2019 07h03

O que há a lamentar na entrevista concedida por Lula? Não há nem sombra de autocrítica. Ou de crítica aos erros cometidos pelo PT. Não sei se eu mesmo faria diferente se estivesse em seu lugar. Afinal, ele foi condenado sem provas e é mantido preso contra o que definem o Inciso LVII do Artigo 5º da Constituição e o Artigo 283 do Código de Processo Penal. Mais do que isso: desde dezembro de 2017, há prontas para votação Ações Declaratórias de Constitucionalidade no Supremo que não são levadas a plenário porque, ora vejam!, a depender do resultado, ele poderia ser solto — aguardando, então, o trânsito em julgado da sentença condenatória. O tribunal, muito especialmente sob a regência de Cármen Lúcia, passou a manipular escancaradamente a pauta. Dias Toffoli está no comando da Corte desde setembro do ano passado. Até agora, não há data para votar as ADCs. Cobrar autocrítica de alguém encarcerado contra o que dispõe a lei não deixa de ser incômodo. Mas é necessário fazê-lo em nome da precisão e da verdade histórica.

AUTOCRÍTICA
Lula foi convidado a dizer em que o PT errou. E o ex-presidente driblou a questão. Preferiu partir para o ataque, afirmando que coleciona mais de 80 capas de revista contra ele e mais de 80 horas de notícias negativas em cada uma das emissoras de TV. Destacou, o que não deixa de ser verdade — MAS É UMA VERDADE QUE PRECISA DE CONTEXTUALIZAÇÃO — que o PT aprimorou mecanismos e leis de combate à corrupção, com fortalecimento da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. E, de fato, sob a sua gestão, os dois órgãos ganharam uma saliência e uma independência que não tinham antes. Condescendeu, no máximo, com uma hipótese: "Acho que o PT pode ter cometido muitos erros". Mas evitou dizer quais. Ou ainda: "Se alguém cometeu erro, que pague".

Sim, é verdade: existe uma Força Tarefa que tem o PT e seu líder máximo como alvos prioritários. E, convenham, não é preciso que Lula reconheça as falhas para que delas se tenha ciência. Mas também não dá para cair no conto da Carochinha de que uma conspiração de organizou para depor o PT e que esta supunha a sua prisão para que pudesse, então, se consolidar. Para ser mais preciso: ainda que houvesse tal disposição, não se teria logrado o intento se, no poder, o partido não tivesse deixado um rastro de malfeitos. E aqui deixo claro: eu não tenho nenhuma simpatia pelas delações premiadas na forma como passaram a existir no Brasil. Tanto a Lei Anticorrupção (12.846) como a Lei das Organizações Criminosas (12.850), ambas de agosto de 2013, abrem flancos para que notórios canalhas passem por mocinhos colaboradores e para que o Ministério Público Federal celebre verdadeiras indignidades sob o manto de acordos de delação e de leniência. Os abusos começam a vir a luz.

Dito isso, observo que Lula deveria, quando menos, reconhecer que o partido manteve relações promíscuas com empreiteiras, embora não tenha sido o único; que se arvorou em grande arquiteto dos players nacionais que iriam ganhar o mundo e, nesse esforço, atravessou mais de uma vez a linha que deve separar o público do privado; que abusou do dinheiro fácil — e não foi o único de novo — que jorrava para as campanhas eleitorais; que não só deixou de coibir, então, práticas viciosas na relação entre partidos e empresas como, a seu modo, as profissionalizou, passando a operar muito além das franjas éticas… Nos oito anos em que Lula ficou no poder, uma mistura de escolhas e circunstâncias que dele não dependiam, mas que se mostraram favoráveis, fez o pais crescer e distribuir renda. Também foi possível implementar programas sociais e de inclusão que lhe garantiram a fortuna crítica. Sim, fez também escolhas erradas, mas vamos repetir Maquiavel falando sobre o povo — e, a exemplo do autor, note-se, sem endossar a frase: quando a população aprova o resultado, não pergunta com quais meios a ele se chegou.

GOVERNO DILMA
Ocorre que veio o governo Dilma. Lula não é burro — longe disso! — e sabe que já havia sinais de degeneração do modelo que remontavam à sua própria gestão. A dita "presidenta" dobrou todas as apostas erradas. E, neste ponto, há outra falha lamentável na entrevista do ex-presidente — ainda que, reitero, talvez eu também evitasse a autocrítica tendo apenas uma hora e cinquenta minutos para falar, depois de 9.384 horas preso. O líder petista evita reconhecer que os cinco anos de governo Dilma levaram a economia brasileira à beira do abismo. No máximo, arrisca uma crítica ao excesso de desonerações havido no período, mas não vai além disso.

E aí estamos diante de um problema que explica, em parte, o desespero de setores importantes do empresariado brasileiro na eleição de 2018. Sim, Lula tem razão, muitos deles haviam lucrado os tubos nos seus oito anos de gestão. Mas viram um PT em 2018 que parecia repetir a mesma ladainha que havia conduzido o país a uma das crises econômicas mais graves de sua história.

PREVIDÊNCIA
E Lula reaviva a memória dos temores à medida que faz um duro ataque à reforma da Previdência, personificando-a na figura de Paulo Guedes, mas também não aponta saída. Reduzir a proposta, como faz, à transferência de recursos para banqueiros é demagogia barata. Ainda que esteja aproveitando a oportunidade para lançar um grito de guerra contra a reforma como ato de resistência política, não há nisso dose considerável de irresponsabilidade? O petista não quer mudar nada? É razoável que o sistema continue a ser um dos mais perversos mecanismos de concentração de renda do país? E olhem que não quero facilitar as coisas para ninguém. Está aí o pacote para os militares como uma espécie de emblema de uma injustiça social bem à moda Bolsonaro. Ou por outra: há, sim, fragilidades na reforma que tramita na Câmara. Mas Lula prefere o caminho genérico da luta puramente ideológica: seria uma mudança contra o povo e contra os pobres para dar um trilhão a banqueiros. A simplificação é absurda.

A sua receita — basta apostar no povo e pôr a economia para crescer, e o resto se resolve — é pura retórica política. Não resolve o problema. Se a reforma, segundo o PT, não é a que tramita, não faria mais sentido, então, articular uma proposta alternativa? A crítica que o ex-presidente faz contribui, por razões óbvias, para fortalecer Bolsonaro, não para enfraquecê-lo.

O ACERTO
A entrevista é longa, e há outros pontos que mereceriam reparos. Serão feitos a seu tempo. Notem que aponto neste post o que considero os principais aspectos negativos ou incorretos da fala de Lula. Mas ele também acerta quando condena o ataque sistemático à política. Bolsonaro é o filho dileto da Lava Jato, que contou com a quase totalidade da imprensa como porta-voz não do antipetismo — outro erro de Lula —, mas da antipolítica.

Trata-se de uma ironia trágica: a imprensa se tornou sócia da demonização da dita "velha política", promovida pela Força Tarefa, e colaborou para a eleição daquele que gostaria de enforcar o último jornalista com a tripa do último não-bolsonarista.

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM.

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Reinaldo Azevedo