Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Ah, Dallagnol a reclamar de mim e do professor Streck a Moro não tem preço!

Reinaldo Azevedo

2010-06-20T19:07:09

10/06/2019 07h09

Lula: Lava Jato tentou forjar o DPPL: "Direito Penal Para Lula" (Foto Cristiano Mattos/ Futura Press)

Oh, mais uma vez a Lava Jato demonstra incômodo com este humilde escriba, não é mesmo? Os valentes, não sei se do MPF ou da PF, já vazaram uma conversa minha com uma fonte em que nada de grave, impróprio ou ilegal havia, como restou evidenciado. Desta feita, fico sabendo que, em diálogo com Sérgio Moro, Deltan Dallagnol expressa a sua preocupação com o fato de que eu estava entre os dois ou três que reconheciam o óbvio: não existia prova contra Lula. Informa o The Intercept Brasil:
"Preocupado com a repercussão pública de seu trabalho – uma obsessão do procurador, como demonstra a leitura de diversas de suas conversas –, ele prossegue: "Ainda, como a prova é indireta, 'juristas' como Lenio Streck e Reinaldo Azevedo falam de falta de provas. Creio que isso vai passar só quando eventualmente a página for virada para a próxima fase, com o eventual recebimento da denúncia, em que talvez caiba, se entender pertinente no contexto da decisão, abordar esses pontos", escreveu a Sergio Moro.

Dois dias depois, Moro afagaria o procurador:
"Definitivamente, as críticas à exposição de vcs são desproporcionais. Siga firme." Menos de um ano depois, o juiz condenaria Lula a nove anos e seis meses de prisão."

RETOMO
O "isento" Deltan Dallagnol, em conversa com o não menos "isento" Sérgio Moro, associa meu nome a "juristas", com aspas, como a dizer que, bem…, eu e o professor Lênio Streck juristas não somos.

Dizer o quê? Eu não sou mesmo! Sou apenas um jornalista. Mas tenho vergonha na cara, sou alfabetizado e não caio em papo de mistificadores. Mas Streck é jurista, sim! Diante dele, Dallagnol e Moro é que devem vestir as aspas da humildade porque seria uma covardia comparar formação intelectual, produção acadêmica e, bem, capacidade de articular a Inculta & Bela.

De fato, no dia do espetáculo grotesco do Powerpoint, escrevi:
sem provas para demonstrar que Lula é o dono do tríplex, os procuradores resolveram investir numa questão maior: acusá-lo de ser o chefe do petrolão. Ocorre que, como observou a defesa do ex-presidente, não se fez essa acusação formal, não se apresentou essa denúncia. E por que não? Um deles responde: "Porque não há prova disso também". (…) A avaliação quase unânime é que Dallagnol se perdeu, encantado com a própria retórica. O que se avalia é que o MPF terá de se dedicar ao esforço defensivo de demonstrar que nada tem contra Lula. É claro que vou ler a denúncia na íntegra. A restrição da Procuradoria-Geral tem um centro: a denúncia de Dallagnol serve para inflamar a opinião pública, mas constrange, na mesma medida, os meios jurídicos. E serão os juízes a decidir, não o clamor popular."

Admito que errei numa coisa: apostava, sim, que Moro condenaria Lula, já que nunca duvidei da atuação conjunta com Dallagnol, mas apostava na compostura do TRF-4. Não só a sentença foi endossada em segunda instância como a pena foi aumentada — para ser reduzida, depois, no STJ.

Pois é, senhores leitores! Eu não faço jornalismo investigativo, como faz o The Intercept Brasil. Investigo ideias, escolhas ideológicas, adequação ao Estado de Direito.

E há cinco anos a Lava Jato tem de me engolir. Não foram poucas, claro!, as bombas jogadas no meu caminho.

Mas a verdade começa a vir à luz de maneira irrespondível.

O trabalho é árduo, mas me sinto intelectualmente recompensado.

Eu estava certo, e os adoradores do lava-jatismo, errados.

Ou foram inocentes úteis ou aderiram à depredação do Estado de Direito. Sem alternativa.

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo