Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Lava Jato joga a lei no lixo e pensa entrevista de Lula de olho nas urnas

Reinaldo Azevedo

2010-06-20T19:07:06

10/06/2019 07h06

Se alguém tinha alguma dúvida sobre o viés político que marca a Lava Jato, bem, pode começar a ter certezas. Quando o ministro Ricardo Lewandowski autorizou a colunista Mônica Bergamo, da Folha, a entrevistar Lula, foi um verdadeiro Deus-nos-acuda.

Informa o The Intercept Brasil:
Os procuradores, que por anos garantiram não ter motivações políticas ou partidárias, manifestaram repetidamente nos chats a preocupação de que a entrevista, a ser realizada a menos de duas semanas do primeiro turno das eleições, ajudaria o candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad. Por isso, articularam estratégias para derrubar a decisão judicial de 28 de setembro de 2018, que a liberou – ou, caso ela fosse realizada, para garantir que fosse estruturada de forma a reduzir seu impacto político e, assim, os benefícios eleitorais ao candidato do PT.
(…)
Um clima de revolta e pânico se espalhou entre os procuradores. Acreditando se tratar de uma conversa privada que jamais seria divulgada, eles deixaram explícitas suas motivações políticas.

A procuradora Laura Tessler logo exclamou: "Que piada!!! Revoltante!!! Lá vai o cara fazer palanque na cadeia. Um verdadeiro circo. E depois de Mônica Bergamo, pela isonomia, devem vir tantos outros jornalistas… e a gente aqui fica só fazendo papel de palhaço com um Supremo desse… ".

Uma outra procuradora, Isabel Groba, respondeu com apenas uma palavra e várias exclamações: "Mafiosos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!".

Após uma hora, Tessler deixou explícito o que deixava os procuradores tão preocupados: "sei lá…mas uma coletiva antes do segundo turno pode eleger o Haddad".

Enquanto essas mensagens eram trocadas no grupo dos procuradores da Lava Jato, Dallagnol estava conversando em paralelo com uma amiga e confidente identificada no seu Telegram apenas como 'Carol PGR' (cuja identidade não foi confirmada pelo Intercept). Lamentando a possibilidade de Lula ser entrevistado antes das eleições, os dois estavam expressamente de acordo que o objetivo principal era impedir o retorno do PT à presidência e concordaram que rezariam para que isso não ocorresse.
(…)

Os receios dos procuradores, porém, foram logo acalmados. Às 22h49 do mesmo dia, o procurador Julio Noronha compartilhou mais uma reportagem do Antagonista, dessa vez com uma boa notícia: "Partido Novo Recorre ao STF Contra Entrevista de Lula". Uma hora depois, o clima era de comemoração. O ministro do STF Luiz Fux concedeu uma liminar contra a entrevista, atendendo ao pedido do Partido Novo. Na decisão, o ministro diz que "se faz necessária a relativização excepcional da liberdade de imprensa". Januário Paludo foi taxativo: "Devemos agradecer à nossa PGR: Partido Novo!!!".

Os procuradores não demonstraram preocupação com o fato de um ministro do STF ter poder para suspender a liberdade de imprensa – ou de que um partido que se diz liberal entrou com um pedido nesse sentido. Pelo contrário, os procuradores comemoraram a proibição.

VOLTO
Os procuradores não são idiotas e sabem que ilegal mesmo, a agredir um valor fundamental da Constituição, era a proibição determinada por Luiz Fux, não a autorização concedida por Ricardo Lewandowski.

E daí?

Como resta evidente, a lei era a última coisa que importava no caso.

Tratava-se de fazer política e de operar com a cabeça voltada para as eleições.

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo