Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

EXCLUSIVO - Moro sobre papo de Dallagnol com membro do STF: In Fux we trust

Reinaldo Azevedo

2012-06-20T19:20:18

12/06/2019 20h18

Luiz Fux:: em conversa com Dallagnol, apoio a uma ação ilegal do então juiz Sérgio Moro

O site "The Intercept Brasil" passou a este jornalista trecho de uma conversa do procurador Deltan Dallangol com um grupo de procuradores. No dia 22 de abril de 2016, ele relata um encontro que manteve com Luiz Fux, ministro do Supremo. Explicam-se as circunstâncias: o então juiz Sérgio Moro tinha sido repreendido publicamente pelo ministro Teori Zavascki, relator do petrolão no tribunal, por ter divulgado trecho de um grampo duplamente ilegal que trazia um diálogo entre Dilma Rousseff, presidente da República à época, e Luiz Inácio Lula da Silva.

Dallagnol deixa claro que ele e Fux conversaram sobre o assunto. Transcrevo as mensagens do procurador a seus pares, que foram depois retransmitidas a Moro, que deu uma resposta. Leiam:

13:04:13 Deltan Caros, conversei com o FUX mais uma vez, hoje

13:04:13 Deltan Reservado, é claro: O Min Fux disse quase espontaneamente que Teori fez queda de braço com Moro e viu que se queimou, e que o tom da resposta do Moro depois foi ótimo. Disse para contarmos com ele para o que precisarmos, mais uma vez. Só faltou, como bom carioca, chamar-me pra ir à casa dele rs. Mas os sinais foram ótimos. Falei da importância de nos protegermos como instituições

13:04:13 Deltan Em especial no novo governo

A mensagem é retransmitida a Sérgio Moro, que responde:
13:06:55 Excelente. In Fux we trust

Em português: "Confiamos em Fux"

E responde Dallagnol em "kakakês":
13:13:48 Deltan Kkk

COMENTO
Há algum crime aí? Não. Ignoro, no entanto, o conteúdo da conversa "boa". Mas o que se constata claramente é um ministro do Supremo a condescender com a prática ilegal de um juiz. Mais do que condescendência, segundo as palavras de Dallagnol, o que se tem claramente é o endosso e o incentivo à ilegalidade.

O que terá querido dizer Fux quando asseverou que os procuradores e o juiz podiam "contar" com ele. Poder-se-ia dizer: "Ora, Reinaldo, contar com seu apoio na garantia das leis". Ocorre que Dallagnol está relatando justamente o contrário. Fux estava tratando de forma depreciativa um colega — Teori Zavascki — que havia feito uma clara repreensão ao juiz por ter cometido uma ilegalidade. A repreensão oral, diga-se, foi coisa pouca, dada a gravidade do caso. O "americanófilo" Moro teria sido preso segundo a legislação vigente nos EUA.

A CONFIANÇA
Quem se dá a certos desfrutes não consegue ter o respeito pleno nem de aliados. Nota-se que Dallagnol trata o ministro de forma jocosa, não é?, quando diz que só faltou a Fux convidá-lo para uma visita.

A resposta de Moro vem igualmente carregada pela ironia, mas também traduz a certeza de que tudo lhe é permitido, muito especialmente afrontar a lei em nome da causa.

A conversa revela algo ilegal? Não! Trata-se apenas de troço vergonhoso, que, mais uma vez, indica a falta de isenção de membros do Judiciário — nesse caso, de um integrante da Corte máxima — para lidar com o assunto. Insista-se: Fux está a endossar uma ilegalidade num ambiente que lembra, tudo indica, uma conversa entre compadres.

ENTREVISTA DE LULA
A "confiança" em Fux fazia sentido. Foi o ministro que, agredindo os artigos 5º e 220 da Constituição, proibiu não apenas que Lula desse entrevista como que a Folha a publicasse caso já tivesse sido realizada. Como deixam claro conversas entre procuradores, reveladas por "The Intercept Brasil", temia-se que eventual entrevista pudesse favorecer o petista Fernando Haddad na disputa eleitoral.

In Fux they trust.

BOBAJADA
Acrescento este trecho ao post às 22h36 . A BandNews FM me pediu a imagem do diálogo e eu passei. Foi ao Twitter e está no site da emissora. É esta. Volto em seguida.

Como o texto informa desde o primeiro momento, as mensagens de Dallagnol tinham sido dirigidas a um grupo de procuradores. Depois foram retransmitidas a Moro de uma só vez. Por isso elas têm a mesma hora: "13:04;13".  É retransmissão. Pouco mais de dois minutos depois, o então juiz se sai com a sua gracinha (in Fux we trust), o que levou Dallagnol, na sequência, a escrever em kakakês: "kkk".

PASSADO
Como esquecer? Fux é o homem que foi indicado por Dilma para o Supremo depois de prometer "matar no peito" o caso José Dirceu — promessa que nem cumpriu, é verdade. Também é a personagem que beijou os pés de Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral,  por ocasião da indicação. Era sinal de agradecimento. Além de ser amigo pessoal da doutora, pesou em favor de seu nome o apoio do então superpoderoso governador. A ética da dupla já era a mesma.

Também beijar pés não é crime. Ou só prometer "matar no peito" a bola. Pergunta-se sobre esses dois casos, a exemplo da conversa com Dallagnol: "É decente?"

Fux é hoje uma das vozes do punitivismo no Supremo.

Em nome da moral e dos bons costumes.

Como se vê.

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo