Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Saem novos trechos de diálogos: Moro era o real coordenador de força-tarefa

Reinaldo Azevedo

2013-06-20T19:07:13

13/06/2019 07h13

Novos diálogos divulgados nesta quarta (12) pelo site The Intercept Brasil reforçam a tese de que houve colaboração entre o então juiz federal Sergio Moro (hoje ministro da Justiça) e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato.

A publicação inclui novos trechos de conversas já divulgadas no domingo (9). Nas mensagens, Deltan dá detalhes da delação da Odebrecht, cobra ativismo de Moro e recomenda que o juiz tenha cuidado com segurança.

Segundo a publicação, em conversa de 16 de outubro de 2015, os dois discutem o caso que investigava desvios na refinaria de Pasadena, nos EUA. A compra da refinaria americana causou prejuízo bilionário à Petrobras.

Moro comunica que pretende abrir o sigilo dos depoimentos de "FB" (possivelmente se referia ao lobista Fernando Baiano, que virou delator) e pergunta se Deltan tem alguma objeção.

O procurador pede que Moro mantenha o caso de Pasadena sob sigilo, pois a divulgação poderia atrapalhar futuros mandados de busca e apreensão —e até mesmo de prisão— que a força-tarefa planejava solicitar ao juiz.

Moro, por sua vez, diz que já deixou o processo à disposição das partes envolvidas e que "os deletados [delatados] já sabem que são delarados [delatados] há tempo" (sic). Os dois, então, combinam um encontro, que também incluiria representantes da Polícia Federal, para tratar de novas fases da operação.

Em outro episódio, desta vez em 13 março de 2016, Deltan faz uma série de elogios a Sergio Moro.

"Você hoje não é mais apenas um juiz, mas um grande líder brasileiro (ainda que isso não tenha sido buscado). Seus sinais conduzirão multidões, inclusive para reformas de que o Brasil precisa, nos sistemas político e de justiça criminal. Sei que vê isso como uma grande responsabilidade e fico contente porque todos conhecemos sua competência, equilíbrio e dedicação", diz o procurador.

Em seguida, Deltan pede que Moro "assuma mais" a campanha pela aprovação das 10 medidas de combate à corrupção. O projeto de lei, idealizado pelo Ministério Público Federal, estava parado no Congresso. Nesta semana, em ocasião do vazamento das conversas, a proposta voltou a tramitar no Senado.

"A sociedade quer mudanças, quer um novo caminho, e espera líderes sérios e reconhecidos que apontem o caminho. Você é o cara. Não é por nós nem pelo caso (embora afete diretamente os resultados do caso), mas pela sociedade e pelo futuro do país", diz o procurador a Moro.

Dias antes, em 21 de fevereiro, o procurador pediu que Moro redobrasse a cautela. No diálogo, Deltan dá a entender que haveria uma transação de dinheiro ilícito a uma pessoa que poderia ser advogado de José Rainha, ex-líder do MST.

"Tem muito fanático que não teria muito a perder e poderia querer se tornar herói", afirma Deltan. Moro não chega a responder diretamente ao conselho, mas sugere trocar a ordem de fases da Lava Jato "diante dos últimos desdobramentos".

No dia seguinte, foi deflagrada a 23ª fase da Lava Jato, a Operação Acarajé, que prendeu o marqueteiro do PT João Santana. Santana chegou a ser um conselheiro da então presidente Dilma Rousseff.
(…)
Na Folha

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo