Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

JAIR JÁ FOI 1: Em 4 dias, Bolsonaro e Guedes batem recorde de truculência

Reinaldo Azevedo

2017-06-20T19:08:16

17/06/2019 08h16

Bolsonaro e Paulo Guedes: a dupla é muito mais hábil para gerar crises do que para governar. Arrogâncias distintas e combinadas

Se algo de positivo ainda acontecer com o Brasil no governo Bolsonaro, pode-se afirmar sem medo de errar: será trabalho dos abnegados do Parlamento. Mas atenção! É justo que os senhores congressistas se perguntem se devem criar facilidades para as ideias toscas que andam a habitar a cabeça do presidente. Por isso, é fundamental que, em se aprovando a reforma da Previdência, também se aprovem freios aos ímpetos autocráticos do mandatário. Uma coisa é certa: o homem é do gênero que, chegando ao limite, dá sempre mais um passo. É de assombrar a sequência de ações destrambelhadas do senhor presidente da República em 96 horas. Entre a quinta, data em que o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentou o texto da Previdência, e este domingo, o chamado "Mito" se dedicou incontinente à tarefa de gerar crises. E não! Não se trata de coisas irrelevantes. Pior: em duas das invectivas contra o bom senso, contou com o auxílio de Paulo Guedes, tido por incautos como âncora da estabilidade do governo. Já escrevi aqui: ele não gosta da democracia mais do que seu chefe. Digamos que tem consciência de que precisa dela, não é? Encerrado o período no governo, ainda há os negócios. Guedes só não manda queimar os navios porque não pode, não porque não queira. Atenção! Na mesma quinta em que se apresentou o texto da Previdência, Bolsonaro demitiu Santos Cruz da Secretaria de Governo e pôs em seu lugar um general da ativa: um paraquedista vai fazer articulação política. Na sexta, anunciou que vai pôr na rua o presidente dos Correios e criticou o STF, voltando a defender um evangélico no tribunal. No mesmo dia, Guedes disparou contra Joaquim Levy, então presidente do BNDES, e desferiu duras críticas ao Congresso e ao texto da reforma. No sábado, o presidente disse que a cabeça de Levy estava a prêmio e que, para governar, precisa mais do povo do que do Parlamento. Adicionalmente, defendeu o armamento da população e, se preciso, a luta armada propriamente. E isso em meio ao escândalo das conversas de pornografia política e jurídica explícita entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol.
Continua aqui

 

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo