Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

JAIR JÁ FOI 3: Finalmente, Bolsonaro revela que armamento mira luta armada

Reinaldo Azevedo

2017-06-20T19:08:15

17/06/2019 08h15

Também no sábado, durante visita à cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, dois dias depois da apresentação do texto da reforma da Previdência, o Supremo Mandatário de seus delírios afirmou precisar mais do povo do que do Parlamento — que é quem tem os votos para aprovar o texto. Achando pouco, fez a apologia da luta armada. Disparou: "Precisamos, mais que do Parlamento, do povo ao nosso lado para que possamos impor uma política que reflita em paz e alegria para todos nós." E revelou a razão, vamos dizer, para a sua obsessão por armar a população: "A nossa vida tem valor. Mas tem algo muito mais valoroso que nossa vida, que é nossa liberdade. Além das Forças Armadas, defendo o armamento individual para nosso povo para que tentações não passem na cabeça de governantes para assumir o poder de prova absoluta". Vocês já imaginaram o que teriam pensado, dito ou feito as Forças Armadas se, na Presidência, Lula tivesse falado algo semelhante? No dia 8 de maio, escrevi neste blog: "Como se sabe, a dita 'ala ideológica' do bolsonarismo acredita que o que chama 'política do desarmamento' é parte do projeto do comunismo internacional para dominar as almas. Logo, supõe-se que o armamento seja, então, uma forma de combater esse comunismo — e, pois, um capítulo, sei lá, da luta armada. Olavo de Carvalho não se conforma que as esquerdas tenham abandonado as ilusões armadas. Ele é um "marxista cultural". Acha que é o confronto sangrento que vai definir o jogo. É um desastre moral".
Continua aqui

 

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo