Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Só o viés político justifica que BC tenha mantido inalterada taxa de juros

Reinaldo Azevedo

2020-06-20T19:07:53

20/06/2019 07h53

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central. Não há argumento econômico para manter Selic em 6,5% (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

No post anterior, trato das particularidades de termos um general da ativa fazendo política. Mas há um outro palco em que ela sendo articulada: o Comitê de Política Monetária do Banco Central. O Copom manteve a taxa de juros em 6,5%. Tentei encontrar alguma justificativa técnica. Não há pressão inflacionária. Pelo contrário: ela está em queda. A economia só não está exatamente parada porque há sinais de crescimento negativo também no segundo trimestre. O desemprego é assombroso. Sobre o cenário externo, avalia o Banco Central, que se mostra "menos adverso, em decorrência das mudanças nas perspectivas para a política monetária nas principais economias. Entretanto, os riscos associados a uma desaceleração da economia global permanecem".

Então manter os juros inalterados por quê? A explicação, parece, está em alguma incerteza que ainda rondaria a reforma da Previdência. Certo! Nesse caso, por que o aperto monetário é útil? E por que este seria compatível com uma desaceleração da economia global?

Ou o Banco Central resolveu usar a taxa de juros para pressionar o Congresso, ou, sei lá, houve por bem, para honrar uma cara tradição, continuar a remunerar acima do razoável os empréstimos tomados pelo governo.

Desde que o BC seja obrigado a prestar contas do seu trabalho ao Congresso Nacional, sou favorável à sua independência. Mas entendo que ele não pode ser independente a ponto de pressionar o ente ao qual teria de prestar contas. Ou, então, a gente funde o BC, a Secretaria de Governo e o Exército num único órgão. Todos farão política e também política monetária. "Ficou louco, Reinaldo?" Se há loucos nesse arranjo, garanto que não sou eu. Por mim, general cuida de soldados; o BC da política monetária, e os políticos, da política.

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo