Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Caso do sargento traficante é incompatível com aparato que cerca Bolsonaro

Reinaldo Azevedo

26/06/2019 16h15

Bem, dizer o quê? Não consigo imaginar o que NÃO estariam dizendo as hostes bolsonaristas nas redes sociais se um sargento da Aeronáutica que integrasse a equipe de um presidente repudiado pela turma, ainda que em tarefa subalterna, fosse flagrado com 39 quilos de cocaína em avião que serve à Presidência. O dito-cujo já serviu a outros presidentes. E daí?

Digo que NÃO consigo imaginar o que NÃO estariam dizendo porque sei o que estariam dizendo.

Fosse Lula ou Dilma, por exemplo, logo apareceria alguém no Youtube, com olhar característico, perturbado e afetando sapiência, a ligar a droga ao Foro de São Paulo e às Farc. No caso, segundo uma rápida olhada que dei, há um esforço de minimizar a questão.  Nota: foi uma olhadinha mesmo. Trato esses ambientes virtuais como se fossem a cidade de Pripyat, na Ucrânia, esvaziada depois do acidente de Chernobyl: são habitados por fantasmas, mas a radiação (i)moral ali presente pode derreter o cérebro.

É claro que não é uma questão de somenos. Ainda que o tal sargento seja apenas um taifeiro, cumpre indagar: como são escolhidas essas pessoas? Qual é o protocolo? Antes ainda da eleição — refiro-me ao Bolsonaro candidato —, mesmo nos corredores de um estúdio de TV, era impossível ficar a menos de uns cinco círculos de brutamontes de distância do "Mito". Mais um pouco, e um segurança se colocava no seu cangote até durante um debate.

Uma vez presidente, reparem no desfile impressionante de carros de segurança que acompanham os deslocamentos de Bolsonaro. É uma espécie de Funk Ostentação do Esquadrão Caveira da Segurança Presidencial.

E, no entanto, um traficante estava na comitiva que antecederia a chegada do presidente à Espanha, num caso que virou um vexame internacional. O avião presidencial acabou fazendo escala em Portugal. Não é uma ocorrência corriqueira.

E, por óbvio, é preciso que se proceda a uma investigação rigorosa. Quem recrutou esse rapaz? Como foi a operação? Quais são os protocolos para definir essa equipe? Não basta dizer, como fez Hamilton Mourão, vice-presidente, que se trata de uma mula qualificada. Ainda que assim fosse, a questão está nas conexões da mula.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo