PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Qualquer que seja origem das informações, juiz e procurador estupraram leis

Reinaldo Azevedo

25/07/2019 16h40

Dallagnol e Moro: não importa a fonte. Punam-se eventuais invasores. Mas e os crimes da dupla contra a ordem legal?

Segundo a Polícia Federal, Walter Delgatti Neto, um dos quatro presos acusados de invadir o celular de Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e outros, admitiu ter repassado as informações, de forma anônima e sem qualquer compensação financeira, ao site "The Intercept Brasil". Foi ou não foi? Respondo: esse não é o ponto. A Constituição garante o sigilo da fonte, e, até onde se sabe, não é isso que está sob investigação.

Sou mais preciso: caso a Polícia Federal esteja investigando qual é a fonte do site, trata-se de investigação ilegal, que agride o Artigo 5º da Constituição. Se o objeto da investigação for a invasão em si, aí está tudo, em princípio, dentro dos conformes.

Dado o conteúdo das revelações que vieram a público, faz diferença saber se as fontes são essas ou outras? Que respondam os invasores, quaisquer que forem, na esfera penal por aquilo que tiverem feito.

A agressão ao devido processo legal; a atuação fora dos parâmetros estabelecidos por lei do então juiz Sérgio Moro e de Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato; a operação anticorrupção transformada numa forma indigna de enriquecimento pessoal… Bem, isso tudo permanece e tem de ter uma resposta das instituições.

Ainda volto ao tema, mas me ocorre aqui. Se delatores premiados são beneficiados pela lei pelo suposto bem que fazem à sociedade, seria o caso de beneficiar também os hackers de agora, se forem realmente eles os autores do material enviado ao The Intercept Brasil?

Afinal, as mensagens acabaram revelando a existência de um Estado paralelo.

  

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM.

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.