Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Deltan e Fux em reuniões clandestinas com banqueiros. Tema: "LJ e eleições"

Reinaldo Azevedo

26/07/2019 18h46

Espremidos pelos fatos, Deltan e Fux. Os dois participaram de "reuniões privadas" com banqueiros quase na boca da urna. A grande virtude dos encontros era sua clandestinidade

Por Reinaldo Azevedo, deste blog e da BandNews FM e
Leandro Demori, do site "The Intercept Brasil"

"Aqui tudo parece/ que é ainda construção/ e já é ruína".

São versos da música "Fora da Ordem", de Caetano Veloso, que está em "Circuladô", de 1991. É o mesmo disco que traz "Cu do Mundo", em que se canta: "A mais triste nação/ na época mais podre/ compõe-se de possíveis/ grupos de linchadores". O poeta americano Ezra Pound afirmou que os "artistas são as antenas da raça". Podem antecipar maravilha e horror. Quase 28 anos depois de "Circuladô", os linchadores, também os do mundo virtual, perderam qualquer pudor, e a ruína tenta se passar por construção.

Leiam o diálogo que segue, travado entre Débora Santos, assessora da XP Investimentos, e Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato. A transcrição segue conforme o original. E vocês entrarão em contato com dois flagrantes da nossa ruína: Deltan e, antes dele, o ministro Luiz Fux, do Supremo, participaram de reuniões privadas com banqueiros e investidores para discorrer sobre o tema "Lava Jato e eleições". Os encontros devem ser chamadas, sem exagero, de clandestinos.

17 de maio de 2018
16:57:38 Débora
Olá Deltan, tudo bem? Aqui é Debora Santos. Já nos vimos algumas vezes no ANPR, sou esposa do Pelella. Peguei seu contato com ele para te fazer um convite
16:58:59 Débora Trabalho como consultora/ analista de política e Judiciário da XP Investimentos. Queria te convidar para um bate papo com investidores brasileiros e estrangeiros aqui em SP
17:00:45 Débora Vi que você tem um evento aqui em SP no final do mês e queria ver se conseguimos encaixar um encontro
17:43:11 Deltan Oi Debora tudo bem? Que honra seu contato!!
17:43:24 Deltan Então, já tenho uma palestra agendada na XP pro fim do ano
17:43:35 Deltan Seria um público diferente?
17:43:53 Deltan Neste mês quase impossível pela agenda, julho mais fácil.
17:44:05 Deltan Vc falaria com Graziella que cuida das palestras?
17:55:02 Débora Claro, claro. Seria um público mais seleto. CEOs e tesoureiros dos grandes bancos brasileiros e internacionais
17:57:02 Débora Falo com a Graziella. Obrigada. Abs
17:59:19 Deltan Me passa uma lista de quem são?
17:59:22 Deltan Quando seria?
18:01:41 Débora Quando você puder. Antes do final do semestre
18:04:57 Débora JP Morgan Morgan Stanley Barclays Nomura Goldman Sacha Merrill Lynch Cresit Suisse Deutsche Bank Citibank BNP Paribas Natixis Societe Generale Standard Chartered State Street Macquarie Capital UBS Toronto Dominion Bank Royal Bank of Scotland Itaú Bradesco Verde Santander
18:06:17 Débora Esses seriam os convidados. Nem todos comparecem.
18:06:36 Débora Você deve estar agendado para o Expert, uma conferência grande que realizamos em setembro.
18:07:42 Débora Esse bate-papo é privado, com compromisso de confidencialidade, onde o convidado fica à vontade para fazer análises e emitir pareceres sobre os temas em um ambiente mais controlado.
18:08:17 Débora Semana passada recebemos o presidente do TSE, ministro Fux, por exemplo e não saiu nenhuma nota na imprensa.
18:09:25 Débora Nem sobre a presença dele na XP.
18:09:43 Débora Assim, já aconteceu com vários personagens importantes do cenário nacional, como você.
18:22:33 Deltan Quais as datas possíveis de junho?
18:22:51 Deltan Tome em conta os jogos da copa
18:23:10 Débora Primeira semana
18:23:21 Débora Qualquer dia, seria ótimo.
19:31:19 Deltan Primeira semana não consigo.
19:31:19 Deltan A partir do dia 18 conseguiria
19:31:19 Deltan Agenda antes está impraticável
21:08:39 Débora Podemos acertar então. Na semana do dia 18, só tem jogo do Brasil na sexta. Veja qual dia é melhor pra você
23:06:04 Deltan Mas me esclarece melhor: Vcs têm encontros regulares sem data definida? Ou querem fazer um encontro específico com alguma pauta? O ideal seria eu participar de um encontro que já exista…

18 de maio de 2018
10:33:53 Débora
Fazemos econtros regulares com atores do mercado para fazer análises conjunturis sobre temas da atualidade. Estamos na fase de ciclo de encontros sobre Lava Jato e Eleições, por isso estivemos com o ministro Fux, na semana passada, e estamos negociando data com os ministros Barroso e Alexandre de Morais tb.
10:34:49 Débora Além de integrantes do Judiciário, estivemos nas últimas semanas com algumas lideranças políticas e cientistas políticos.
10:35:33 Débora A reunião com vc se coloca nesse contexto do ciclo de debates sobre eleições, lava jato e conjuntura política em 2018.
11:24:14 Débora A principal diferença entre a conferencia que vc fará em setembro e dessa reunião privada é o tipo de público. Na conferencia ampliada, é um público heteregeneo que compreende o cenário mais amplo, sem aprofundamentos, meio que o que já está nos jornais. O público dessas reuniões privadas é mais qualificado, se aprofunda em conceitos de debates.

22 de Maio de 2018
23:08:33 Deltan
Débora, a ida dos Ministros é remunerada como palestra?
23:09:01 Deltan Os encontros são convocados então tendo em vista um convidado especifico, certo?
23:42:49 Débora Sim, fazem parte de um projeto que vem sendo desenvolvido ao longo do ano, mas são convocadas rodadas para cada convidado
23:44:40 Débora Temos como hábito respeitar a privacidade dos nossos convidados
23:55:23 Deltan Opa entendo perfeitamente.
23:55:44 Deltan Debora vou pedir para a Fernanda que me ajuda com essas palestras para falar com Vc.

23 de Maio de 2018
00:01:15 Débora
Tudo bem.

Eduardo e Débora: ele é ex-número dois de Janot, e ela, ex-assessora pessoal de Fachin, relator do petrolão. É o amor.

COMPREENDENDO A CONVERSA
Como sabemos, a Lava Jato buscou e busca se estabelecer como o eixo formador de um outro país. Desse eixo irradiariam um novo Ministério Público, um novo Poder Judiciário, um novo Congresso e uma nova forma de fazer política. E, no entanto, a cada diálogo que se revela, o que se vê é a ruína moral a serviço da corrosão institucional. O diálogo que vocês acabam de ler diz muito mais do que parece.

Reportagem publicada em parceria pela Folha e pelo site The Intercept Brasil já evidenciou que Deltan Dallagnol, em conversa com Roberson Pozzobon, seu colega de força-tarefa, buscou criar uma empresa, em nome das respectivas mulheres, para profissionalizar a sua atividade de palestrante. Em uma mensagem enviada àquela que Sergio Moro diria ser sua "conge", o procurador admite ter ganhado R$ 400 mil líquidos com a atividade paralela só no ano passado. O Brasil empobreceu bastante de 2014, ano em que teve início a Lava Jato, a esta data. Mas Deltan enriqueceu.

Falemos um pouco das personagens que aparecem no diálogo acima. Débora Santos é mulher do procurador Eduardo Pelella, que foi chefe de gabinete e braço direito de Rodrigo Janot quando procurador-geral da República. Era, de fato, dizem as boas línguas, quem tocava a PGR. Ela já foi personagem deste blog. E por uma razão singularíssima: trabalhava na área de "consultoria em comunicação social e gestão de crises" no gabinete de ninguém menos do que Edson Fachin, o ministro do Supremo que é o relator do petrolão.

Vocês entenderam direito: Pelella, o marido de Débora, traçava as estratégias do procurador-geral da República, também chefe do Ministério Público Federal, o órgão que acusa. E Débora, a mulher de Pelella, traçava as estratégias de comunicação de Fachin, o relator do petrolão, o homem que julga. A promiscuidade entre acusador e juiz parece que tenta se estabelecer como regra no país. O resultado é desastroso.

MUDANDO DE ARES, MAS NÃO DE RAMO…
Quando Janot deixa a PGR, em setembro de 2017, Pelella migra para a Procuradoria Regional da República da 3ª Região, em São Paulo, e Débora, com a experiência acumulada de mulher do ex-número dois do órgão e de assessora pessoal de Fachin, o relator do petrolão, arruma um emprego na XP Investimentos como "consultora/analista de política e Judiciário". E é nessa condição que ela fala com Deltan.

Ao convidá-lo para o "evento privado", observem que ela se refere ao marido, numa evidência de que a Lava Jato já é mais do que uma simples força-tarefa. Tornou-se uma tropa de elite do estado paralelo, um verdadeiro círculo aristocrático. Como, por aqui, a ruína se traveste de inovação, Débora apela a esse vínculo para convencer Deltan a participar não de uma conferência aberta, a que a imprensa, por exemplo, poderia ter acesso. Essa já estava em sua agenda e aconteceria em setembro do ano passado.

O convite é para que ele seja a estrela de uma "reunião privada" — remunerada, sim! — com investidores, que tem um caráter que se pode dizer clandestino. Afinal, Deltan é um homem pago pelo Estado brasileiro para atuar como procurador. O órgão que ele integra é o titular da ação penal e pode, adicionalmente, atuar também na investigação. Eis o palestrante disputado a peso de ouro. E que tem de falar em segredo.

LAVA JATO E ELEIÇÕES
Débora quer que Deltan discorra sobre "Lava Jato e eleições" a quem regula suas apostas a depender de cenários que, ora vejam, dependem, por sua vez, em grande parte, das decisões do próprio procurador. Quanto custa a bola de cristal do vidente que tem como interferir no futuro? Reitere-se: Débora, a mulher de Pelella, o íntimo de Janot, que desenhou a Lava Jato, não está convidando o buliçoso procurador para falar a uma plateia ampla — a conferência —, que ela trata até com certo desdém. Afinal, um evento assim, aberto, seria formado por um "público heterogêneo", que se contenta "meio com o que já está nos jornais."

Não! A Pelella do Pelella quer mais — e sabe que Deltan vai oferecer: "O convidado fica à vontade para fazer análises e emitir pareceres sobre os temas em um ambiente mais controlado".

Ou por outra: aquele que representa o órgão que é o titular da ação penal e que detém praticamente o poder de vida e morte sobre carreiras políticas vai desenhar cenários, que ele próprio tem o poder de fabricar, a banqueiros, em "reuniões privadas".

E, claro!, seria dispensável dizer que todas essas empresas — a XP e seus convidados — têm suas respectivas áreas de "compliance". Certamente são adversárias da corrupção, não é mesmo? Tanto é assim que convidam um verdadeiro astro desse combate para, homem público que é, falar como agente privado, a peso de ouro, a investidores. E tudo no mais absoluto sigilo.

"Compliance" por aqui ganhou um sentido muito particular.

LUIZ FUX ESTEVE LÁ
Débora quer passar segurança a Dallagnol. Quer que ele tenha a certeza de que não será uma palestra comum. Trata-se, efetivamente, de uma "reunião privada". E ela tem um trunfo e tanto nas mãos: ninguém menos do que Luiz Fux, ministro do Supremo! Na condição, então, de presidente do TSE, foi ele a falar primeiro com banqueiros sobre "Lava Jato e Eleições". E a assessora da XP se orgulha da reunião clandestina estrelada pelo presidente de um tribunal superior: "Semana passada, recebemos o presidente do TSE, ministro Fux, por exemplo e não saiu nenhuma nota na imprensa. Nem sobre a presença dele na XP. Assim já aconteceu com vários personagens importantes do cenário nacional, como você".

"Aqui, tudo parece/ que ainda é construção/ e já é ruína".

Notem no diálogo que Deltan, como não poderia deixar de ser, se interessa pelo cachê: "Débora, a ida dos Ministros é remunerada como palestra?" E ela responde: "Temos como hábito respeitar a privacidade dos nossos convidados". E Deltan: "Opa! Entendo perfeitamente". Claro que entende! Afinal, o procurador se tornou um dos maiores cachês da ruína brasileira.

Será que a foto precisa de legenda, leitor amigo?

FUX, O VIOLADOR DA CONSTITUIÇÃO
Indagado sobre a sua participação no evento e o valor do cachê, o ministro Luiz Fux preferiu nada responder (leia texto a respeito). Tampouco afirmou que não responderia. Ouviu-se só o silêncio eloquente daquele que, às vezes, faz discursos verdadeiramente condoreiros contra a corrupção e em favor da modernização do Brasil.

Três meses depois de sua participação no evento com os banqueiros e investidores, elogiado pela organizadora por sua clandestinidade, Fux violou a Constituição e impôs censura prévia à Folha: não só proibiu uma entrevista de Lula ao jornal, que havia sido autorizada por Ricardo Lewandowski, seu colega, como determinou que, se já realizada, não poderia ser publicada.

Também o ministro, ao usar a sua bola de cristal para falar sobre "Lava Jato e eleições", pôde fazê-lo com os olhos de quem tem condições de fabricar as próprias profecias.

MORAES E BARROSO NÃO FORAM, MAS DELTAN FOI
Débora diz a Deltan, como leram, que pretende convidar os ministros Alexandre de Moraes e Roberto Barroso. Se o convite aconteceu, os dois ministros não aceitaram. Não participaram das "reuniões privadas", para "um público mais qualificado", que "se aprofunda em conceitos e debates".

Deltan, claro!, aceitou o convite. A "reunião privada" aconteceu no dia 13 de junho. Seguem diálogos:

12 de junho de junho de 2018
15:53:34 Débora
Oi Deltan. Tudo bem?
15:53:53 Débora Espero que tenha chegado bem. Que horas posso mandar o carro te buscar amanha no hotel?
20:23:01 Deltan Oi Débora, tudo bem? Tava em reuniões até agora… na minha agenda tá que a reunião é 10h. Se demoram 15m daqui até aí, pode ser 9,30
20:23:33 Deltan Vou levar alguém da Transparência Internacional comigo, pode ser?
21:20:51 Débora Pode sim. Tudo bem. Vou combinar aqui e te aviso
22:40:10 Débora Deltan, me confirma o hotel que você está hospedado, pfv?
23:23:38 Dentan tryp Itaim
23:23:57 Deltan (não foram Vcs que me colocaram aqui? pergunto pq to com vários compromissos e não cuidei disso, mas deduzi que eram)

13 de junho de 2018
00:22:52 Débora
Foi sim. Mas é outro setor
00:22:58 Débora Tudo certo. Boa noite
08:23:19 Débora Bom dia, Deltan.
08:25:55 Débora O motorista Maurício vai te buscar as 9:30 no hotel e ficará à sua disposição o restante do dia aqui em SP
08:42:57 Débora Ford Fusion
(placa do carro omitida pelo blog)
12:38:15 Deltan Quem é Aura que estava lá?
12:38:32 Deltan Aquela senhorinha

14 de junho de 18
17:38:04 Débora
Desculpe a demora
17:38:31 Débora A cliente é a
(TRECHO OMITIDO PELA EDIÇÃO)
19:30:12 Débora Olá, Deltan Uma ajuda. Em off total, como vc avalia a decisão do Supremo de proibir as conduções coercitivas?

15 de junho de 2018
22:09:24 Deltan
Mas quem é ela na ordem do dia, Débora?
22:10:02 Deltan postei no tt de madrugada até… atacando pilares da LJ… como Fachin colocou, esse papo de garantias individuais é um discurso pra proteger oligarquias. Coisa de capitalismo de compadrio.

20 de junho de 2018
20:22:33 Débora
Sócia em boteis, empresas de energia eólica, engenharia. São empresas de família, os ativos da parte dela são investidos com a XP e ela dedicou a vida à educação. Foi professora em escolas públicas em SP.
21:33:29 Deltan Que legal!!

8 de fevereiro de 2019
17:41:48 Débora
Oi Deltan. Tudo bom. Em off, quais as impressões de vcs sobre o novo juiz da LJ? Pode embarreirar os trabalhos? Vcs já se conheciam?

A TRANSPARÊNCIA NA CLANDESTINIDADE
Deltan, como se lê, cedeu aos apelos de Débora. Além do cachê — a XP se nega a dizer o valor —, ganhou também o direito a um dia inteiro com motorista num Ford Fusion. A vida é bela! E é de tal sorte agitada, vejam vocês!, que o rapaz não tem nem a certeza de quem exatamente fez a reserva do hotel. Essa rotina de palestrante andarilho, pago a peso de ouro, tem, como se pode notar, seus contratempos…

O coordenador da Lava Jato é um marqueteiro e tanto e cuida muito bem de sua reputação. E, aqui, deixo, de saída, um conselho à Transparência Internacional Brasil: é bom tomar cuidado para não virar uma espécie de laranja do mercantilismo da cidadania a que se dedica a operação. Ou, uma espécie de tributo que a virtude presta ao vício. Por que digo isso?

Notem que Deltan pede autorização para levar à "reunião privada" um representante da Transparência Internacional. Não é a primeira vez que a entidade aparece numa proximidade incômoda com a Lava Jato, em evento que não honra exatamente a… transparência.

Em 2017, a operação vazou para uma dissidente do chavismo conteúdo de delações de diretores da Odebrecht que diziam respeito à Venezuela, pondo vidas em risco. Estavam sob sigilo por decisão do ministro Edson Fachin. O estímulo inicial para que se operasse o vazamento partiu do então juiz Sergio Moro. Deltan pediu à Transparência Internacional que financiasse a permanência no Brasil de dois procuradores venezuelanos.

Agora, ele arrastou para a "reunião privada" um membro da entidade. A TI é um órgão respeitado mundo afora. Precisa tomar cuidado para não se confundir com os métodos heterodoxos empregados pela Lava Jato no Brasil. Num trocadilho óbvio, parece bem pouco transparente servir de escolta moral a um procurador que, embora homem de estado, está numa empreitada privada, falando a banqueiros sobre "eleições e Lava Jato" numa reunião que tem a intenção ao menos da clandestinidade.

O representante da entidade que acompanhou Deltan é Guilherme Donega, consultor do Programa de Integridade em Mercados Emergentes da TI Brasil. A entidade assegura que sua presença teve apenas o objetivo de apresentar as "Novas Medidas contra a Corrupção" e que não houve qualquer forma de remuneração (leia post a respeito). Não há motivos para duvidar. Mas há motivos de sobra para sugerir à TI Brasil que se distancie desse misto de operação de Estado e empreitada privada em que se transformou a Lava Jato.

Note-se, adicionalmente, que faz sentido a presença de Fux e Deltan em eventos de mesma natureza. Eles se entendem. Como revelou este blog,  o procurador visitou o ministro no dia 22 de abril de 2016, Saiu do encontro tão excitado que comentou com Sergio Moro, depois de revelar que o ministro havia criticado Teori Zavascki, seu colega: "[Fux] Disse para contarmos com ele para o que precisarmos, mais uma vez. Só faltou, como bom carioca, chamar-me pra ir à casa dele rs. Mas os sinais foram ótimos". E Moro respondeu com uma daquelas frases que entrarão para a história desta quadra do estado de direito: "In Fux we trust".

ABERRAÇÃO
Débora quer saber o que Deltan pensa sobre os limites impostos pelo Supremo à condução coercitiva. E ele responde: "Postei no Twitter de madrugada até. Atacando pilares da LJ. Como Fachin colocou, esse papo de garantias individuais é um discurso para proteger oligarquias. Coisa de capitalismo de compadrio."

Não é uma graça? O palestrante endinheirado trata direitos fundamentais como mero "papo de garantias individuais" e como "discurso para proteger oligarquias". Na manhã daquele dia, ele havia participado de uma "reunião privada" com banqueiros para tratar de eleições. Eis o nosso herói contra as… oligarquias.

Débora também tenta saber, em fevereiro deste ano, o que ele pensa sobre Luiz Antônio Bonat, que assumiu como titular a 13ª Vara Federal de Curitiba, assento que já foi de Sergio Moro. Dallagnol não responde. Será maldade inferir que a resposta não estava no preço?

CONCLUINDO
O chefe da força-tarefa que, com efeito, mudou a cara do Brasil — e para muito pior — atua como consultor privado de banqueiros, embora tenha em mãos instrumentos legais que decidem quem vive e quem morre na política. Como se percebe de maneira inequívoca, isso se tornou um meio de vida.

O presidente da corte superior que gerenciava, então, o processo eleitoral aceitou participar de uma "reunião privada" com banqueiros — nem ele nem a XP negam que tenha sido remunerada — justamente sobre "Lava Jato e eleições" quatro meses antes do pleito. E uma das virtudes saudadas pela organizadora do evento foi a clandestinidade do evento.

Muito se fala em privatizar estatais no Brasil. É preciso que nos perguntemos quando vamos estatizar os indivíduos que atuam no seio do Estado a serviço de interesses privados, incluindo os próprios interesses.

A mistura viciosa — quando não criminosa, como têm revelado alguns diálogos — explica por que "aqui tudo parece/ que é ainda construção/ e já é ruína".
Leia mais aqui

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Reinaldo Azevedo