Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Elias do PCC é o diabo Guaixará, de Padre Anchieta; o nativo bêbado é você

Reinaldo Azevedo

10/08/2019 20h05

Ô gente!!!

Falhou mais uma operação das Organizações Tabajara para desviar a atenção do público dos descalabros e ilegalidades da Operação Lava Jato.

Qual vai ser a próxima? Os "gerenciadores de crise" da força-tarefa até que trabalharam direitinho: entrevista de Deltan Dallagnol à Época, de Moro à IstoÉ, tentativa de mandar Lula para Tremembé e, finalmente, o grampo com a fala de um bandido de manual, com texto típico da dramaturgia da Record, a dizer que bom mesmo eram os tempos do PT. Quem é mau segundo a ótica do criminoso oportuno? Ah, é Sérgio Moro!

Nem os trouxas de sempre caíram, tal o amadorismo do troço.

Aliás, não se deve perder a oportunidade de usar essa turma de primitivos para sugerir coisas mais elevadas aos leitores.

Na Internet, vocês acham a peça "Auto de São Lourenço", de Padre Anchieta, que é de 1586. Vale a pena ler. Anchieta, como sabem, era jesuíta, e sua obra dramática tinha um objetivo pastoral, didático, pedagógico e, claro, cristianizador. Buscava converter os índios.

Anchieta tinha talento genuíno para o gênero dramático. Mas era quem era. Seu objetivo era aculturar os nativos, convencê-los da superioridade da teologia cristã.

O auto que sugiro é bom porque, vejam lá, os demônios que buscam afastar os índios de Deus são todos… índios e representam seus costumes!!! E as coisas divinas, naturalmente, eram europeias ou estavam na boca de índios que haviam se convertido. Lourenço, por exemplo, era espanhol, como Anchieta.

A exemplo de "Elias do PCC", Guaixará, um dos demônios, também diz de quem e do que ele gosta e não gosta. Anchieta achava que o cauim afastava os índios de Deus. Então o que diz o demônio disfarçado de índio? Isto:

Quem é forte como eu?
Como eu, conceituado?
Sou diabo bem assado.
A fama me precedeu;
Guaixará sou chamado.

Meu sistema é o bem viver.
Que não seja constrangido
o prazer, nem abolido.
Quero as tabas acender
com meu fogo preferido

Boa medida é beber
cauim até vomitar.
Isto é jeito de gozar
a vida, e se recomenda
a quem queira aproveitar.

Há mais, leitor! Elias do PCC imita em tudo Guaixará. O bandido reclama de Sergio Moro, o homem bom, certo? E o demônio reclama dos padres!!! Querem ver?

Diz Elias do PCC:
"Esse Moro aí, esse cara é um filha da puta, mano.  Ele veio pra atrasar. Ele começou a atrasar quando foi pra cima do PT".

Diz Guaixará:
Para isso
com os índios convivi.
Vêm os tais padres agora
com regras fora de hora
prá que duvidem de mim.
Lei de Deus que não vigora
.

Como se nota, Guaixará era um diabo inventado sob medida por Anchieta para servir ao trabalho de colonização e cristianização.

E, por óbvio, "Elias do PCC" é o bandido inventado — resta saber por quem — para colonizar as consciências de hoje. Ainda que sua fala mal elaborada para efeitos dramáticos seja verdadeira, seu uso constituiu manipulação das mais vulgares. E que não encontra amparo nos fatos.

"Não há nenhum indicativo de negociação do governo PT com o PCC". A afirmação é do promotor de Justiça do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do MP-SP (Ministério Público de São Paulo), Lincoln Gakiya, responsável por pedir, no fim do ano passado, as transferências dos chefes da facção de presídios paulistas para o sistema penitenciário federal, em entrevista exclusiva ao UOL.

Cinco séculos depois de Padre Anchieta, os nativos das redes sociais no Brasil estão expostos aos mesmos truques exercitados pelo jesuíta.

Resta agora saber quem foi o Anchieta deste que não é um auto, mas uma bufonaria. A gente já sabe quem fez o papel de Guaixará.

Depois de irmos a altitudes elevadas, voltemos à planície da escatologia, onde se encontram Moro e Bolsonaro: convém que a turma que tenta conter a Vaza Jato faça menos bosta. Que tal em dias alternados ao menos?

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo