Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Lava Jato adiou denúncia do sítio de Lula para obter maior repercussão

Reinaldo Azevedo

14/10/2019 16h35

A divulgação da denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva envolvendo o caso do sítio de Atibaia foi adiada por procuradores da Operação Lava Jato por conta da repercussão dos áudios envolvendo o ex-presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista. É isto que afirma uma reportagem do The Intercept Brasil, divulgada na madrugada de hoje. Após a divulgação do conteúdo, a defesa de Lula já pediu que as mensagens sejam consideradas no processo do sítio.

De acordo com mensagens obtidas pelo site, a procuradora Jerusa Viecelli informou em 17 de maio de 2017, em um grupo da força-tarefa no aplicativo Telegram, que a denúncia contra Lula estava pronta. Porém, horas anes, vieram à tona os áudios envolvendo Temer e Joesley. Por conta disso, o grupo optou por adiar a divulgação da denúncia, que foi feita cinco dias depois.

Antes de definir a data, o chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol, procurou a Procuradoria-Geral da República (PGR) em 21 de maio de 2017 para saber se haveria operação em Brasília para não dividir as atenções. Ao saber que não haveria operação, Dallagnol liberou a divulgação da denúncia contra Lula. No grupo, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima disse que o fato iria "criar uma distração e mostrar serviço" da Lava Jato.(…)

No UOL.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Reinaldo Azevedo