PUBLICIDADE
Topo

Se Marcelo fala a verdade, mentira grotesca sobre BNDES e Lula desmorona  

Reinaldo Azevedo

09/12/2019 17h27

Marcelo Odebrecht durante entrevista à Folha: o que ele diz sobre o BNDES pode ser contestado? (Foto: Eduardo Knapp/ Folhapress – 05.12.19)

A primeira entrevista concedida por Marcelo Odebrecht depois de ter deixado a cadeia traz algumas questões que ou são tecnicamente — e com números — contestadas, ou se está diante de um primeiro passo para desfazer alguns mitos que frequentam o imaginário político, porém sem substância.

Comecemos pelo mais relevante: o BNDES teria sido uma espécie de mãe para outros países, dando-lhes dinheiro bem baratinho para financiar a contratação de obras da Odebrecht. Não é isso, diz o empresário. Ele fala sobre a empresa que comandava, mas o mesmo vale para outras empreiteiras:
"O banco financiava os clientes [países] que adquiriam bens e serviços exportados pela Odebrecht. A maior parte do dinheiro não ia diretamente para a Odebrecht —mas para os fornecedores. Se a Odebrecht recebia 100, provavelmente 90 ia para uma cadeia de fornecedores de bens e serviços. Nós já chegamos a ter mais de 5.000 exportadores de bens e serviços".

Marcelo diz ainda outra coisa que pode ser verificada ou não, prestem atenção:
"O BNDES financiava exportação de conteúdo nacional para projetos no exterior. O BNDES nunca deu dinheiro para que se produzisse no exterior. A parcela de gastos no exterior tinha que ser bancada pelo cliente com outras fontes."

O financiamento, pois, bancava e gerava empregos no Brasil; era destinado às empresas brasileiras. E os juros eram compatíveis com os praticados no Brasil? A resposta: não! E se fossem? A expansão para outros países seria impossível. Ele explica os motivos:
"Às vezes, num cenário de mercado distorcido como o do Brasil, com taxas de juros altíssimas, indecentes, o governo acabava tendo que praticar políticas de Estado distorcidas para ver se convergiam para o decente. Se olharmos isoladamente como era no mercado brasileiro, sim, era distorcido. Mas. sem elas. não tinha como o Brasil competir com a exportação de bens e serviços se todos os Exim do mundo praticavam outras taxas. Não seria possível exportar bens e serviços praticando as taxas de juro e prazo que existiam no mercado brasileiro, a 20% ao ano. Não existe isso."

Exim? É a versão reduzida de 'Eximbank", agência de que dispõem países — esse é nome conhecido nos EUA — para financiar exportação de bens e serviços desde que contenha um índice de nacionalização de 85%. Ou por outra: a agência dos EUA financia o país que faz o acordo com uma empresa americana desde que se importem bens e serviços de lá. Na Europa, o mecanismo é conhecido como ECA (export credit agencies).

Segundo Marcelo Odebrecht, parte das obras tocadas no exterior tinha, sim, o financiamento dessas outras agências, mas condicionado à exportação daqueles países.

Vai ver é por isso que, até hoje, não se conseguiu chegar à tal caixa-preta do BNDES. Parece haver uma grande possibilidade de que ela, afinal, nunca tenha existido.

Afirma ainda o empresário:
"O BNDES tem zero de risco. Nesse ponto, por exemplo, alguns outros Exims do mundo aceitavam o risco de outros países. O BNDES não aceitava risco de outros países. O BNDES só aceitava se a gente levasse o seguro de crédito. Nós pedimos várias vezes. Usamos Exims, China, Coreia. Usamos as ECAs da Europa. Mas, quando nós fazíamos isso, a exportação tinha que ser desses países. Então, a gente comprava produtos desses países, não do Brasil."

A ATUAÇÃO DE LULA
Marcelo Odebrecht afirma ainda que o Odebrecht chegou aos países antes da eleição de Lula. Segundo diz, o então presidente eram um "bom vendedor" dos serviços brasileiros, mas não colaborava só com a Odebrecht:

"A gente vivia um dilema com as viagens de Lula, porque ele vendia bem o Brasil. E na maior parte dos países, a gente já estava havia mais de dez anos, 20 anos. Muito antes do Lula. E éramos a única empresa brasileira. A gente queria se beneficiar da ida do Lula para reforçar os links com o país e, portanto, melhorar a nossa capacidade de atuar lá. Mas, ao mesmo tempo, quando Lula chegava, ele não defendia só a Odebrecht. A gente se esforçava, passava notas para o Lula. O pessoal [da Lava Jato] achou várias das minhas notas. Porque a gente fazia questão de deixar claro o que a Odebrecht já fez em outros países para Lula, Dilma [Rousseff] e Fernando Henrique [Cardoso].

Mas houve condicionamento ideológico? Marcelo revela um pedido de Lula: queria uma obra em Cuba. Não há, não na entrevista, nenhuma sugestão de irregularidade. Afirma que o então presidente chegou a pensar em uma estrada. Cuba queria casas. E a Odebrecht viu o porto como a melhor saída justamente porque, segundo o empresário, era maior o potencial de exportações de empresas brasileiras.

ANGOLA
Alguma sugestão de atuação extracurricular nesses financiamentos? Ele relata:

"Que eu saiba, no âmbito do BNDES nunca ocorreu nenhum ilícito. Existiu em uma única questão, que não tem relação direta com o BNDES: a renovação de uma linha de crédito do Brasil com a Angola. Houve naquele momento específico uma solicitação de apoio para campanha. Os pedidos foram feitos [pelos ex-ministros petistas] Paulo Bernardo e [Antonio] Palocci. A gente ia ser um dos principais beneficiários em uma negociação bilateral de um aumento de linha de crédito.

Segundo Marcelo, não houve prejuízo nenhum para o banco porque a ajuda à campanha eleitoral naquele país saiu da margem de lucro da empresa, não do caixa do BNDES.

SUPERFATURAMENTO
E as acusações de que a empresa praticava superfaturamento em obras no exterior? Marcelo dá uma resposta que desafia outros a contestá-lo. Ou será que não? Leiam:

Primeiro tem que entender o que é superfaturamento, né? Superfaturamento pressupõe um preço acima de uma referência. É isso que eu entendo como superfaturamento. Considerando que a gente conseguisse praticar preços na nossa exportação, que é maior que uma determinada referência, isso é positivo. Ou o Brasil vai estar preocupado que suas empresas estão ganhando 40%. Por que alguém pode vender aço com 40% de margem, e nós não podemos fazer exportação de bens e serviços ganhando 20%? Você questiona que o Brasil venda commodities com 40% de margem? Então porque alguém vai questionar a gente de vender serviço de engenharia com 20% de margem? Se a gente vendesse serviço de engenharia com 60% de margem o Brasil tinha de agradecer. Ou vamos questionar as margens de commodities? O conceito é o mesmo. É um absurdo querer condenar o superfaturamento. Se a gente consegue vender melhor, é positivo. Mas isso normalmente não acontece, porque a gente acaba competindo com outras empresas internacionais, que trazem financiamento dos seus bancos de origem. O que ocorreu nos últimos anos aqui no Brasil foi um crime. Criminalizaram algo que nunca deveria ter sido criminalizado. Se houve um crime, foi na criminalização do financiamento à exportação.  O auge disso foi na campanha de 2014, usaram muito isso. Mas também cheia de erros. Até a Dilma falava que dava dinheiro para Odebrecht.

NÓS E OS OUTROS
Há aí muito elemento para reflexão. O BNDES está hoje envolvido em alguma operação de financiamento de exportação de bens e serviços? Nesse caso, está praticando juros compatíveis com o mercado interno — ainda que em níveis historicamente baixos — ou tem de se igualar a outras agências de fomento mundo afora?

Segundo Marcelo Odebrecht, Lula pediu uma obra em Cuba — e ele não sugere que tenha havido ilegalidade —, e dois ministros solicitaram contribuição na disputa eleitoral em Angola. O entrevistado, em delação premiada permanente — uma categoria inventada pela Lava Jato —, sustenta que o dinheiro saiu da margem de lucro da Odebrecht, não do BNDES.

No que diz respeito ao financiamento do banco para a exportação de bens e serviços, essa agência brasileira fez algo muito diferente do que fazem a agência americana e as europeias? O ex-comandante da Odebrecht diz que não. E é fato que, até hoje, se tenta abrir a tal caixa-preta. E, até agora, não se chegou a lugar nenhum.

O que se tem como certo, aí sim, é que a Lava Jato quebrou a indústria de construção pesada no Brasil. E empreiteiras chegaram e chegarão de fora, ancoradas em agências de financiamento de seus respectivos países, que nos imporão a importação de bens e serviços, gerando empregos fora do Brasil.

"Ah, o Estado brasileiro não tem de se meter nisso!" Tá bom! Deixem que os Estados europeus, asiáticos e americano se metam. Vai ver somos mais sábios do que eles.

Afinal, no Brasil, quem tem a resposta para todos os males, inclusive para a nossa melancólica humanidade, são Sergio Moro e Deltan Dallagnol. Eles obtiveram sucesso onde Brás Cubas, de Machado de Assis, naufragou: descobririam o emplastro anti-hipocrondríaco.

A entrevista de Marcelo Odebrecht, reitero, desafia a versão que se consolidou sobre supostas irregularidades praticadas pelo BNDES. Se ele está falando a verdade — e acho que trata de dados verificáveis —, uma mentira grotesca desmorona.

A menos que, mais uma vez, muitos façam questão de ignorar o sentido das palavras.

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM.

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Reinaldo Azevedo