Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

MILITARES 3: O erro de condução anula efeito político dos “sacrifícios”

Reinaldo Azevedo

2020-03-20T19:22:37

20/03/2019 22h37

Parte das mudanças que dizem respeito à reforma propriamente. Leia a íntegra

Há um erro de condução no conjunto da obra que só a inexperiência política poderia produzir de forma tão evidente. Comecemos do começo: a reforma dos militares não deveria tramitar junto com a outra. Michel Temer tentou ensinar essa lição. Onyx Lorenzoni chamou a sua reforma de "porcaria" — depois que Jair Bolsonaro já estava eleito. E o então pré-candidato à Presidência gravou um vídeo ao lado de Flávio, seu filho hoje senador, esculhambando Temer e gritando: "Seja homem!"…

Mas as circunstâncias — o fato de o presidente ser militar reformado e ter lotado o governo de generais — fizeram com que fosse imperioso fazer tudo rolar ao mesmo tempo. Sendo assim, aí não faz sentido lançar junto um plano de reestruturação da carreira, o que, como se sabe, não foi oferecido aos demais servidores. Notem: se fôssemos ficar apenas nos cortes de benefícios previdenciários, poder-se ia falar numa economia de R$ 93,7 bilhões em dez anos no caso dos militares. Ou 9,37% do que Guedes quer economizar. Considerando que a categoria responde por 15,37% do rombo, digamos que parece um pouco mais justo. Mas aí resolveram meter a reestruturação da carreira no balaio de gatos pardos.

As coisas se complicaram. Ela resultará num aumento de despesas correntes, no período, de R$ 86,65 bilhões. Subtraído esse dinheiro da economia, o saldo é de R$ 10,4 bilhões. Ocorre que aposentadoria e reestruturação de carreira são coisas distintas. Mas se misturaram, tudo indica, para tornar palatáveis as principais mudanças previdenciárias para os militares, a saber:
– salto de 30 para 35 anos no tempo trabalhado para passar para a reserva;
– elevação da alíquota de contribuição de 7,5% para 8,5% em 2020, 9,5% em 2021 e 10,5% a partir de 2022 (os reservistas também contribuem);
– taxação de 10,5% nas pensões recebidas por familiares.

E é com esses números que o governo deveria estar lidando. Mas aí vem a paixão pelo erro.
Continua aqui

 

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo