Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Maioria dos brasileiros não cai no papo-furado de Moro e da Lava Jato

Reinaldo Azevedo

2007-07-20T19:06:25

07/07/2019 06h25

Nas duas vezes em que foi ao Congresso para NÃO SE EXPLICAR, o ministro da Justiça, Sergio Moro, resolveu abusar da ironia, da arrogância e da ambiguidade, apostando, tudo indica, que continuará a contar com um cheque em branco assinado pelos brasileiros. Não é o que aponta a pesquisa Datafolha publicada na edição deste domingo da Folha.

A maioria considera inadequadas as conversas mantidas pelo então juiz com o procurador Deltan Dallagnol e, comprovadas as irregularidades, avalia que suas sentenças têm de ser revistas. O levantamento foi feito nos dias 4 e 5 de julho e ouviu 2.086 entrevistados com mais de 16 anos em 130 cidades. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Moro, pelo visto, terá de tentar vestir outras camisas além da do Flamengo para tentar fugir de sua própria obra. Isso, claro, sempre vai depender da reação do estádio, que, por sua vez, tem ainda muito a saber. Consideram inadequadas as conversas 58% das pessoas ouvidas, contra 31% que as julgam adequadas — 11% afirmaram não saber. Dizem-se informadas a respeito dos vazamentos 63% dos entrevistados, índice que sobe para 88% entre as pessoas com curso universitário.

Também para 58%, se comprovadas as irregularidades, as decisões que Moro tomou na Lava Jato devem ser revistas; para 30%, dados os resultados da operação, isso não têm importância. E 11% não sabem.

A percepção dos brasileiros, apontam os números, ainda carrega sinais de ambiguidade: dizem que Moro deve continuar a ocupar o cargo de ministro da Justiça 55%, contra 38% que acreditam que ele tem de sair. A diferença é grande ainda, mas é expressivo o número dos que defendem a demissão de Moro em razão das revelações feitas até agora. Ele não é um qualquer: estamos falando daquele que se candidatou a demiurgo do país. Para 52%, seu desemprenho à frente da pasta é bom; esse índice era de 59% em abril.

Os mais jovens são os mais refratários às ilegalidades praticadas pelo então juiz. Reprovam a sua conduta 73% das pessoas ouvidas entre 16 e 24 anos; 62% entre as de 25 a 34 e as de 35 a 44; 50% dos que têm entre 45 e 59 também censuram o então juiz, índice que cai para 44% entre os de 60 ou mais.

Os que têm renda maior são os que menos reprovam Moro, ainda que o número seja expressivo: 49% entre os que recebem mais de 10 salários mínimos. Sobe para 53% entre os de 5 a 10 e para 58% entre os de 2 a 5. Atinge 60% entre os que ganham até dois mínimos.

Na última pesquisa Datafolha antes do primeiro turno, 51% dos que ganhavam mais de 10 mínimos votavam em Bolsonaro. É o grupo que vê com menos reservas o comportamento de Moro. Entre os que recebiam até dois mínimos, só 21% escolhiam o então candidato do PSL: estes são agora os que mais reprovam o ex-juiz. A interseção entre o bolsonarismo e o morismo fica ainda mais clara em outros números, conforme vocês lerão em outros dois posts.

Tudo indica que a revelação das barbaridades praticadas por Moro está apenas no começo. Mas o estrago em sua reputação já é evidente. E, à diferença do que ele e seus aliados apostaram, amplas camadas dos brasileiros se interessaram pelo assunto.
Continua aqui

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo