Topo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

ILEGAL E IMORAL 2: Envolvidos não comentam “material de origem criminosa”

Reinaldo Azevedo

16/09/2019 19h02

Thaméa Danelon: cotada peara ocupar cargo na equipe de Aras, ela se dispôs a redigir pedido de impeachment de Mendes. Foto: Eduardo Anizelli, Folhapress 

O advogado Modesto Carvalhosa já entrou com dois pedidos de impeachment contra o ministro Gilmar Mendes: um em abril de 2018 e outro em março de 2019. Se usou ou não texto redigido por Thaméa Danelon e revisado por Deltan Dallagnol, bem, isso não se sabe.

Convidados a falar a respeito — leiam ao fim do post as questões enviadas aos envolvidos —, Carvalhosa e Thaméa dão praticamente a mesma resposta.

Diz ela: "A procuradora da República Thaméa Danelon não se manifesta sobre material oriundo de ato criminoso." Diz ele: "Não tomo conhecimento de matéria de origem criminosa como é o caso dessas matérias produzidas pelo The Intercept Brasil."

Perfeitamente! Mais honrada se mostraria a dupla se não se metesse também em atos ilícitos, não é mesmo? Ou o doutor Carvalhosa acha aceitável que uma procuradora redija em seu nome uma arguição de impeachment, com o concurso do coordenador da força-tarefa.

O advogado também já pediu o impeachment do ministro Ricardo Lewandowski em dezembro de 2018. E justificou assim, referindo-se ao Supremo:
"O caso é o seguinte: as instituições, assim como as pessoas, quando perdem a sua reputação, é impossível voltar a tê-la. No caso do Supremo Tribunal Federal, todo o povo brasileiro sabe que ele perdeu a sua reputação. Não é mais uma instituição legítima, não é uma instituição respeitável. Perdeu a sua autoridade moral, a sua autoridade em qualquer sentido. Ninguém respeita, do ponto de vista moral, as decisões deles [dos ministros]."

Que coisa, não é? Respeitável, segundo os elevados padrões de Carvalhosa, é a Lava Jato, em que um procuradores entram em conluio com um advogado de privados para depor dois ministros do Supremo.

Dallagnol respondeu o seguinte:
"O procurador Deltan Dallagnol não revisou o pedido de impeachment nem teve contato com o professor Modesto Carvalhosa sobre o assunto. O procurador não reconhece as mensagens que são atribuídas à força-tarefa, que têm origem criminosa e têm sido usadas para falsas acusações e deturpações." (Reinaldo Azevedo e Leandro Demori)

Leia também:

Leia ainda:

ILEGAL E IMORAL 1: Cotada por Aras tramou com advogado contra membro do STF

ILEGAL E IMORAL 3: Escritório de advogado atua para acionistas da Petrobras 

ILEGAL E IMORAL 4: Leia as perguntas enviadas a Thaméa, Deltan e Carvalhosa

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Reinaldo Azevedo, jornalista, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. É autor de "Contra o Consenso", "O País dos Petralhas I e II", "Máximas de um País Mínimo" e "Objeções de um Rotweiler Amoroso".

Sobre o blog

O "Blog do Reinaldo Azevedo" trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Mais Reinaldo Azevedo